Habitação / Turismo / Emprego / Carris / Cidade / O país do presente e do futuro /A emergência do pós-presidenciais/Ilações presidenciais (escolher)

A retoma das atividades económicas locais, regionais e nacionais encontra no setor turístico um importante estímulo para a sua dinamização, quer do ponto de vista do consumo externo, quer mesmo da crescente procura dos portugueses junto das potencialidades nacionais e na opção pela estadia e descoberta do território português.

A abertura à receção dos cruzeiros nos principais terminais do país, onde se destaca Leixões, constitui-se como um promissor sinal para este mercado que, conjuntamente com a administração portuária, vai criando condições de segurança sanitária para a chegada e partida de turistas da região norte.

Desde 2015, ano de inauguração do Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões, que anualmente entram centenas de milhares de passageiros de diversas nacionalidades, numa trajetória ascendente que bateu, no período pré-pandemia, recordes de movimentação neste segmento, correspondentes a mais de 100 cruzeiros e aproximadamente 120.000 passageiros, contribuindo para o amplo crescimento de setores como a hotelaria, a restauração e o comércio.

Atendendo à preocupação de garantir a conciliação entre este movimento e as dinâmicas sociais das comunidades locais, principalmente nos grandes centros urbanos, assistimos a novas políticas de habitação, que visam proteger as pessoas e nos fazem acreditar que é possível retirar o melhor de ambas as dimensões e que as mesmas possam coabitar, sem prejuízo para a diversidade social e económica.

Na verdade, com a conjugação destes cenários, de cada vez que atraca um navio de cruzeiro, sabemos que vão ficar a ganhar os hotéis, os restaurantes e bares, as lojas comerciais e toda a região, bem como os equipamentos culturais e turísticos, muito procurados pelos visitantes estrangeiros.

O esforço terá agora de convergir para respostas concertadas num plano intermunicipal, capaz de exponenciar o impacto positivo e alargar a sua abrangência, conduzindo a fluxos de movimentação de pessoas e consumo transversal ao país.

Ficaremos todos a ganhar se o turista que chega a Matosinhos visite a Área Metropolitana do Porto e ainda reserve parte da sua estadia para subir e descer o Douro, parando nos municípios que são atravessados por esta via navegável, e possa ainda conhecer outras cidades e locais idílicos do norte de Portugal.

Para proporcionar esta mobilidade, onde todos ficam verdadeiramente a ganhar pelo poder de atração de novos públicos, diversificando a oferta, urgem estratégias de definição de roteiros integrados e de disponibilização de soluções para a sua sustentabilidade, que apenas poderão ser alcançadas com um exercício de programação na região, envolvendo os agentes locais e regionais, bem como os municípios.

Aproveitando a mais valia do Turismo do Porto e Norte de Portugal e das Comunidades Intermunicipais, importa captar o turismo que o país agarra com grande força, para servir de âncora a uma região que merece o destaque e a visita de todos.

Leia mais artigos na página de opinião do IMEDIATO.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *