Coaching…para quê? - Saber Viver

Estamos prestes a chegar aos meses tipicamente afetos às férias. Duas situações poderão afetar a qualidade das mesmas que têm uma causa comum, o Covid19.  Por um lado, o impacto económico em inúmeras atividades económicas aliado ao número de despedimentos que impedirá que muitos possam usufruir das suas férias. Por outro lado, mesmo existindo possibilidade económica, os riscos de contaminação associados a viagens, nomeadamente internacionais, ainda não podem ser ignorados, apesar do ritmo de vacinação. Assim, umas férias “cá dentro” poder-se-ão tornar igualmente interessantes e mais económicas.

Apesar de toda a situação pandémica levar a pensar que se trabalhou menos, isso pode não corresponder realmente à verdade. Os que tiveram oportunidade de trabalhar provavelmente fizeram-no de forma mais intensiva. O teletrabalho veio trazer dificuldades acrescidas na distinção clara entre o término ou não do dia trabalho! O stress sentido, aliado ao complexo ambiente em casa (família, crianças, interrupções, ligações de internet, etc), acabou por tornar o trabalho muito mais desgastante física e emocionalmente. As férias são pois uma forma de descomprimir e carregar as “baterias”.

A qualidade das férias está mais ligada à atitude mental do que propriamente ao local geográfico onde elas ocorrem! Não caia no erro de pensar quanto que mais longe mais felizes vão ser as férias. A felicidade das suas férias está na felicidade que “transporta” em si. Se transporta infelicidade esta o vai acompanhar em qualquer parte do Universo, nem que vá para Marte!  Se transporta “felicidade” em si, até o caminho da rotina diária se pode, transformar em algo inesquecível. Fazer um passeio a pé ou de bicicleta com familiares ou amigos, em que todos estão entusiasmados e em sintonia, além do custo reduzido, tem o mesmo efeito de um passeio nas Caraíbas. Provavelmente nem iriam todos os seus amigos!

Mas não é só a passear que se fazem férias. Aliás, cada um deve encontrar em si a forma que necessita para se revigorar, gerir memórias e emoções negativas e entusiasmar–se por viver!

Nesse sentido, aqui vão algumas propostas:

  • Dedicar-se ao seu passatempo preferido.
  • Fazer algo diferente, aprenda algo novo que sempre desejou ( nem que seja on line).
  • Dedicar-se à leitura, às artes (música, dança, pintura, teatro…).
  • Contactar com a Natureza.
  • Fazer voluntariado.
  • Fazer novos amigos.
  • (…)

Através da Prática do Coaching poderá encontrar caminhos para usufruir de umas férias em que potencia a sua paz interna independentemente do seu lugar físico.

Não perca o próximo artigo de “Coaching…para quê?”  Leia mais artigos na página de opinião do IMEDIATO.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *