Alberto Santos - Desligamento / Futuro, Máscara / Avós / Língua / Analfabeto / Oportunidades /ladrão de memorias / pandemia

A pandemia acabará e o mundo não. Esta é, pois, boa hora para refletir sobre o nosso futuro coletivo. Há duas questões que nos ecoam:

Em que mundo vamos desembarcar, quando tudo isto passar?

Que aprendizagens esta crise deixará?

O vírus que abalou o planeta, colocou-o em quarentena, recuou o futuro, adiou planos, compromissos e projetos. Enfrentamos uma das maiores crises da História recente da Humanidade: milhares de vítimas, colapso em inúmeros sistemas de saúde, legiões de desempregados, fronteiras fechadas, crianças sem aulas, trabalho remoto, economia em agonia e indústrias paradas.

Neste “novo anormal”, a pandemia remodelou o modo como nos relacionamos com o mundo, com os outros e com nós mesmos. Até mesmo com o nosso corpo. Sim, subitamente, o nosso corpo tornou-se numa ameaça para nós próprios e para os outros. O poder de matar está ao virar da esquina e a arma para combatê-lo é sairmos de cena, isolarmo-nos, mascararmo-nos, afastarmo-nos uns dos outros. De repente, não sabemos como será o amanhã.


“A pandemia remodelou o modo como nos relacionamos com o mundo”


Felizmente, é de esperança a primeira lição: a ciência esteve à altura dos acontecimentos. Rapidamente, encontrou várias vacinas, e não tardará a encontrar remédios para a doença. Hoje, o problema é como chegará a vacina rapidamente a todos.

Mas existem outras cujas respostas ainda desconhecemos, e que integrarão os grandes desafios da nova Humanidade.

Abriremos espaço para uma tecnologia mais emocional?

A educação vai finalmente reinventar-se?

Quais serão as novas habilidades e estratégias das lideranças políticas, empresariais e sociais?

Como a análise de metadados pode ajudar o bem da Humanidade?

Seremos mais ou menos cautelosos no contacto interpessoal?

Vamos adotar de vez a digitalização no trabalho?

Saberemos regenerar nossa relação com a natureza?

Aprenderemos a combater com eficácia e determinação as causas das alterações climáticas?

Os velhos problemas ganharão outras gravidades, com o acentuar das velhas pandemias sociais, como as fake news, a manipulação da informação e dos recursos naturais, dos mais fortes pelos mais fracos, a consolidação de uma certa planura intelectual modelada pelas redes sociais, os radicalismos políticos e religiosos, a manipulação das mentes e decisões através dos algoritmos, os egoísmos atrás de novas fronteiras, os mau usos da genética, da robótica e da inteligência artificial?

Na resposta a estas questões estará a linha de salvação ou desgraça da Humanidade.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *