Coaching…para quê? - Saber Viver

A filosofia do “Coaching” é transversal a todas as dimensões da nossa vida. Nesse sentido, são sempre possíveis novos objetivos, ou melhor, novos Sonhos para as nossas vidas. Por vezes, a utilização frequente da palavra “Sonhos” pode ser interpretado como uma visão meramente materialista ou mesmo egoísta, baseado no conseguir ou ter sempre mais! A cada Coachee corresponde o seu Sonho! E esse deve ser respeitado na íntegra. Curiosamente, constato que a maioria dos Sonhos não são de natureza materialista, mas sim de caracter de desenvolvimento pessoal. A melhoria das relações interpessoais, seja a nível conjugal, familiar ou organizacional são as frequentes. Faz sentido que assim seja, pois o ser humano como ser relacional, vai ter uma perceção de mais “felicidade” mediante o nível de aceitação “genuína” que sente, por parte dos outros e de si mesmo.

Nesse sentido, um dos primeiros equívocos é pensar que no âmbito dos relacionamentos interpessoais o outro é sempre o “culpado.” A tendência generalizada é apontar o dedo! Estamos sempre mais conscientes da mensagem verbal e não verbal do outro para nós do que o inverso! Antes de se trabalharem relacionamentos interpessoais, temos de trabalhar relacionamentos intrapessoais. A forma como lidamos com o outro está “subliminarmente” condicionada pela forma como lidamos connosco. Quando comunicamos (e é impossível não comunicar) vai tudo o que somos! Medos, traumas, fragilidades, desafetos… Assim, melhor se percebe que o que nos irrita outros, frequentemente é mais um “problema” nosso que deles! Numa imagem simplista imagine uma “garrafa de gasolina” uma “garrafa de água e uma “brasa”. Bastava que esta lançasse uma pequena faísca para a gasolina explodir! É da natureza química da gasolina arder perante o fogo não acontecendo o mesmo com a água. A questão que se coloca é saber qual a sua natureza intrínseca? Daquela que dada a sua impulsividade explode rapidamente ou fica a remoer lentamente, como uma brasa à espera de um pouco de “vento” para “arder” mais tarde? Repare que num incêndio florestal, a brasa incandescente entre as raízes das árvores pode propagar o fogo debaixo da terra a quilómetros de distância! Conhece pessoas que passado muito tempo ainda ficam “exaltadas” por determinado acontecimento passado que é relembrado?

Se a natureza química das substâncias não a podemos alterar (se as alteramos passam a ser outras substâncias), a nossa natureza mental pode ser transformada (continuando a sermos seres humanos), tornando conscientes nossos sentimentos, pensamentos, atitudes e comportamentos. Afinal, só quando cultivarmos a nossa paz interna, deixando o outro ter a liberdade de ser como quiser, estaremos a agir como a “água”. Se estamos em paz, podemos receber “fósforos” dos outros, mas estes não nos afetam, nem agora nem mais tarde! Afinal, em que modo funciona normalmente? “Gasolina”, “brasa” ou “água”?

Como “passatempo” para férias procure classificar aqueles com quem mais se relaciona nesta tipologia. Assim, mediante o seu “modo” de estar e o deles, pode prever o possível resultado dessa interação pessoal!

Através da Prática do Coaching poderá desenvolver competências no sentido de se pacificar e pazear. Estas permitirão relações interpessoais de qualidade, na família, entre amigos e a nível profissional, proporcionando ambientes mais favoráveis para a concretização dos seus sonhos.

Não perca o próximo artigo de “Coaching…para quê?”.  Leia mais artigos na página de opinião do IMEDIATO.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *