Opinião: Lição, Vacinas, Cultura

É forçoso que volte ao tema porque já receio que caia no quase esquecimento. Sim, é isso. Para lá da pandemia que tolheu vontades e algum entusiasmo, há actualmente, parece, uma falta de empenho assustadora.

Sim, é isso. Refiro-me à Cultura a nível nacional onde há ainda algum esforço para a concretização de projectos indispensáveis. Sim, refiro-me também à Cultura a nível local onde, para lá de algum folclore mediático, tudo parou!

Bem sei que se sente o impacto provocado pela pandemia mas, bem pensado e bem planeado, poderia haver qualquer coisa a ajudar uma sociedade parada, alheia à vida cultural, indispensável à saúde mental que é preciso preservar… A leitura, por exemplo! No país, aqui sobretudo, a leitura não é considerada uma actividade prioritária e, reconheço também, a exclusão das livrarias do lote das lojas de bens essenciais abertas durante este confinamento, mostra-o bem. Já reabriram, felizmente, mas o que vejo, é gente à procura de revistas leves e de raspadinhas…

O livro deveria ser considerado um bem essencial e, as livrarias fechadas durante semanas foram um sinal negativo para a sociedade. Isto demonstrou que para o Governo, infelizmente, a leitura não tem a importância que a Psicologia, por exemplo, lhe atribui. Ler livros é imprescindível para o desenvolvimento intelectual, conduz à evasão que, neste momento é da maior importância. Ler mais durante o confinamento conduzirá as pessoas a uma tranquilidade emocional muito importante neste tempo tão difícil.

Paralelamente, face à interrupção das aulas presenciais, foi, está a ser nítido constatar que as desigualdades sociais, educativas e mentais, não são fáceis de ultrapassar. Porque, nas Escolas, a sobrecarga de trabalhos impostos (tantos sem interesse nenhum!) não serão de fácil realização se não houver livros de consulta, livros diferentes, que possam substituir a falta de preparação dos pais. De tantos pais!

Pelas análises que vou fazendo, é possível constatar que os índices de leitura estão a cair e, para inverter isso, só vejo uma forma: mais e melhores políticas públicas de incentivo à leitura! Para educar, cultivar, é necessário chegar a novos leitores. Bem sei que isso é difícil com tantas distracções online, por exemplo, mas é preciso, é urgente moderar o contacto dos mais jovens com os ecrãs. Como? Não sou a Ministra nem a Vereadora da Cultura mas sei haver muitas hipóteses interessantes… Assim haja empenho!

Parece-me ainda que a própria indústria livreira também se cristalizou no tempo, mostrando incapacidade para chegar a novos leitores… Os portugueses, muitos, mostram ser impreparados e por isso trabalhar nos livros requer também uma dose alta de leitura.

O livro é uma enorme ferramenta educativa e nada o substitui mesmo que muitos se queixem e a Leitura tem de ser um hábito que se incute desde a infância. Pais que leiam aos filhos e professores preparados, serão fundamentais. É forçoso promover o gosto pela leitura e, por isso, é indispensável dar a conhecer, dar a ler, não há outra forma! Nada me dá ou deu tanto gozo como trabalhar com livros. E, mesmo para escrever, também tenho de ler. Ler muito!

Então, como promover a leitura? Abrindo os livros para pessoas que não lêem. As televisões também poderiam ajudar se considerassem sempre um livro notícia, o que quase só acontece quando alguém do meio televisivo publica um livro. E os jornais locais e os programas da rádio com algumas linhas de apresentação ou audição de um excerto bem escolhido de um livro qualquer. Dos autores locais, porque não?

Leia mais artigos na página de opinião do IMEDIATO.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *