Descentralizar / Inflação / número / Governo / Nós / ps / Hora / Normal / 2022 / Fase / Economia / Avanço / Habitação / Turismo / Emprego / Carris / Cidade / O país do presente e do futuro /A emergência do pós-presidenciais/Ilações presidenciais (escolher)

Dezembro vai iniciar com uma nova fase do combate à pandemia, que nos permite olhar para trás e perceber que o trajeto que os portugueses fizeram valeu realmente a pena, numa postura de responsabilidade e cooperação que hoje marca a diferença face aos restantes países da Europa e do mundo.

Com uma das maiores taxas de vacinação entre os pares, equivalente a mais de 85% da população com a toma da vacina completa, Portugal conseguiu não só estancar a subida previsível dos números da Covid 19, como ainda limitou o aparecimento de sintomatologias graves na população infetada, que maioritariamente apresenta quadros de ausência de manifestação de sintomas ou de baixa intensidade.

A acrescer a estes dados, verifica-se que grande parte dos contaminados/internados em unidades de saúde com esta doença não se encontra vacinado, o que comprova os benefícios da proteção contra o vírus e a opção assertiva da esmagadora maioria dos portugueses, quando se decidiram vacinar.

Atualmente, somos falados pelo mundo fora como uma referência no combate à pandemia, o que por si só deverá ser um motivo de orgulho e de grande esperança para os próximos tempos. Tempos que já demonstraram não ser fáceis, mas para os quais, uma vez mais, os portugueses saberão responder com toda a determinação e confiança.

Esta resposta começou com a administração da terceira dose à população mais idosa, e por isso mais vulnerável e já com menor efeito da vacina, bem como a todos os profissionais que, pela sua atividade, encontram maior exposição ao risco. Este processo será gradualmente alargado, de forma a que possamos manter a mesma capa de proteção que nos levou a enfrentar esta situação pandémica com maior sucesso até ao momento.

Caberá agora a cada um de nós manter os níveis de ponderação no momento de cumprirmos as novas regras, que mais não são do que o reforço dos comportamentos anteriores, numa estratégia de equilíbrio proposta pelos decisores políticos e técnicos, de forma a que possamos continuar com as nossas vidas, não parando a economia e prosseguindo com a recuperação económica e social que temos vindo a alcançar.

Leia mais artigos na página de opinião do IMEDIATO.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.