Há tradições tão enraizadas nas comunidades que nem a pandemia de Covid-19 consegue travar. Uma delas aconteceu na terça-feira à noite: o típico “roubo” de vasos na véspera de S. João, em Frazão.

“Manteve-se a tradição de roubar os vasos, já que não pudemos ter a festa e as marchas, ao menos tivemos a referência brincalhona do S. João”, contou ao IMEDIATO o presidente da Junta de Freguesia de Frazão e Arreigada, Joaquim Gomes.

Segundo o mesmo, à semelhança de anos anteriores, quando a maioria da população já estava a dormir, os “foliões” saíram à rua e levaram consigo vasos e outras decorações, que depois colocaram em cascata junto do local onde se costuma realizar a festa.

“Isto é obra de jovens, muitos nem estão cá durante o ano e vêm de propósito para o S. João e para manter a tradição viva”, explicou o autarca de freguesia.

Contudo, ainda que a folia desta tradição lhe coloque um sorriso no rosto, Joaquim Gomes não deixa de sentir uma certa “tristeza” por não se celebrar a romaria tão habitual em Frazão.

“É uma pena não termos celebrado a festa. Tínhamos as marchas e costuma vir tanta gente, até de outras freguesias. O S. João traz o bairrismo à flor da pele, com as marchas de cada zona da freguesia, é uma altura de confraternização”, explicou.

Ainda assim, a data foi também assinalada com uma missa campal, pelas 20:00, no adro da Igreja de Frazão.

ouro e prata