Croca 1

A instalação da Assembleia de Freguesia em Croca, no concelho de Penafiel, marcada para a noite desta sexta-feira, dia 20 de outubro, acabou por não acontecer. A oposição, que representa a maioria na Assembleia de Freguesia, acusa o presidente eleito António Libano, de cometer uma ilegalidade, ao colocar boletins em branco na urna, no momento em que se recusaram a votar a lista por ele apresentada. António Líbano, desvalorizou a situação e afirmou que foram instalados os órgãos colegiais da Freguesia nos termos da legislação em vigor.
Segundo os cinco elementos da oposição na Assembleia de Freguesia de Croca – três eleitos pela Coligação Penafiel Quer e dois eleitos pelo movimento “Dar as Mãos por Croca”, o presidente reeleito pelo Partido Socialista apresentou uma lista mas a oposição manifestou que iria votar contra a mesma. “Quando o dissemos presidente pegou em cinco boletins e colocou-os em branco na urna”, acusam. “Este foi um ato de ditadura, viabilizou a lista dele”, acrescentam.
Os cinco elementos da oposição abandonaram a reunião sem assinarem a ata, na qual, segundo estes, foi colocado que a lista foi aprovada com quatro votos a favor e cinco em branco. “Mas não assinamos a ata. Esta não tem valor e não esta assinada nem aprovada”, rematam.
Da junta de freguesia, os eleitos foram à GNR para fazer queixa do sucedido. Contudo, tal não foi possível “por não haver enquadramento”. Agora, querem repor a situação e vão fazer queixa junto das entidades competentes.
Contatado pelo Jornal IMEDIATO, António Libano desvalorizou a situação e afirmou que foram instalados os órgãos colegiais da Freguesia nos termos da legislação em vigor.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.