Homicidio rio de moinhos

Começou a ser julgado, esta segunda-feira, no Tribunal de Penafiel Daniel Prieto Ferre, o homem de 41 anos, de nacionalidade espanhola, que em fevereiro deste ano matou Sandra Rocha, a mulher com quem vivia há cerca de dois anos, cujo corpo abandonou, enrolado num edredão, num monte em Rio de Moinhos, Penafiel.

No arranque do julgamento, Daniel Prieto Ferre reconheceu que vivia com Sandra Rocha, de 31 anos, uma relação marcada por vários episódios de violência e agressões mútuas, mas negou que a tivesse matado.

O homem, que responde pelos crimes de homicídio, profanação de cadáver e violência doméstica, o homem, de nacionalidade espanhola, relatou vários episódios de violência entre o casal, mas negou o resultado da autópsia, que concluiu que Sandra Rocha foi morta por asfixia. Ao Coletivo de Juízes do Tribunal de Penafiel, o arguido disse que a mulher morreu durante o ato sexual e que não teve influência na sua morte. Reconheceu, contudo, que agiu “mal”, quando não pediu socorro, ao aperceber-se que a Sandra Rocha estava sem vida. “Reagi mal, devia ter chamado os bombeiros. Mas tive medo que não acreditassem em mim”, lamentou.

Contou ainda que nessa noite e após se aperceber de que a mulher estava sem vida, se abraçou a ela. “Dormi toda a noite abraçado a ela”, afirmou, confessando que no dia seguinte fingiu que a mulher o tinha abandonado, para justificar a sua ausência na casa.

Três dias depois, Daniel Prieto Ferre embrulhou Sandra Rocha num edredão e abandonou o corpo num monte em Rio de Moinhos. Sandra Rocha foi encontrada por populares no dia 28 de fevereiro.

“Sou culpado de profanação de cadáver e de violência doméstica, mas não matei a minha mulher”, garantiu.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.