Autor: Traidor Poema / Guerra/ Milho / Sanções / preço / guerra / pandemia / Natal / Bola de Ouro / Santo / Feira / Marcelo / Vazio / Presidente / Farda / Messi / Vacina / Férias / Europeu, "criança"; "Fraude" "Jogo" "Liberdade"; "Juízes", "Política sem vergonha","Presságio, A vitória da frustração", "País doente"

Mais um luminoso Natal!

Este, o de dois mil e vinte um.

Um Natal tão natural

que bem pode chamar-se:”nArtural”

Natal em que ele se alegra e se espanta

com uma “Festa anual que já se torna num ritual”…

mas que o Artur sempre gosta, e melhor o canta;

Ele corre e acende a alegria

que o dia não é para menos;

Tudo se ilumina em seu redor,

até que as prendas oferecidas

que ele liberta das caixas e papéis,

tem para ele cor e sabor

que chega do azul do Céu

que lhe manda algum Deus por entre anéis

que enriquecem a sua bela magia

que o faz “Senhor- de Todos- os- Reis”;

Depois também chega o sono

a que ele tenta resistir;

porém a hora já vencida marca o fim,

pois ele tem que ir dormir.

– Boa-Noite Artur. Até amanhã,

onde renascerás feliz e a sorrir.

Um beijo grande maior que a Lua Cheia

até o Sol raiar para se juntar e nos iluminar!

Leia mais artigos na página de opinião do IMEDIATO.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.