Movimento rio mau

 

O Movimento Salvar o Rio Mau, de Penafiel, parou esta terça-feira, os trabalhos que estão a decorrer na levada junto ao rio. Entendem que é um atentado contra a natureza. “Somos a favor de melhores os acessos, mas fundidos na natureza e não o que estão a fazer aqui”, referiu ao Jornal IMEDIATO Marlene Azevedo, uma das fundadoras do Movimento.

A obra, da responsabilidade da autarquia, realizada no âmbito do Orçamento Participativo, iniciou-se há cerca de uma semana e levou agora à intervenção dos membros do movimento ambientalista que nasceu na freguesia para preservar o rio. “Entraram pela levada do Rio Mau dentro e arrasaram com isso tudo”, contou Marlene Azevedo, que, juntamente com um grupo de pessoas se colocou em frente à máquina, obrigando a que o operador parasse o trabalho que estava a realizar na levada.

Após o sucedido, o presidente da Junta de Freguesia de Rio Mau, Manuel Silva, deslocou-se ao local, procurando que os trabalhos fossem retomados, mas sem sucesso. “Disse-nos que às duas da tarde regressava acompanhado e que as máquinas iam voltam a trabalhar. E que teríamos que pagar o prejuízo que estamos a causar porque são homens de família que estão aqui a trabalhar”, contou Marlene Azevedo.

Contactado pelo Jornal IMEDIATO, Manuel Silva garantiu que as obras que estão a decorrer, têm como finalidade fazer um acesso até à levada do Rio Mau, assim como retirar da mesma o lixo que ali se foi acumulando. “Ninguém vai destruir a levada. Estamos a trabalhar para dar melhores condições às pessoas com menos mobilidade e mais idade, a criar melhores acessos para que se possam deslocar para lá mais facilmente e em segurança”, referiu o autarca, que lamentou a tomada de posição dos elementos do Movimento Salvar o Rio Mau.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *