Autor de: "Ciclistas"; "Calçada", “Isto é próprio de um país saloio(…)”,"Green” blá, blá, blá. “Clean”, blá, blá. “Healthy”, Blá blá, blá blá…

Claro que os há de todas as “maneiras e feitios” … Mas foi com um ciclista que acha que direitos de circular nas vias públicas são os seus e os de mais ninguém, que me deparei e sobre o qual gostaria de escrever umas quantas linhas.

Diariamente lá saio com a minha mulher para a “volta” de manutenção… Durante a semana, ao fim da tarde… ao fim de semana, durante a manhã (coisa do recolher obrigatório, que eu apoio, organizou).

Numa destas manhãs (ainda recente), e porque as variáveis possíveis, para o percurso que pretendemos, não são assim tantas, lá nos dirigimos para os lados do Sameiro… Alfredo Pereira acima. Na Alfredo Pereira o trânsito é partilhado, em toda a largura da rua, entre automóveis e peões…. Enfim… maneiras de dizer… os automóveis passam e os peões arrumam-se para onde for possível (os carros lá nos vão permitindo que por ali andemos). Umas vezes atrás das outras me questiono porque é que a esmagadora maioria destes veículos passa pela Alfredo Pereira…

Nos dias em que circulo, também de veículo pela cidade (mesmo que para sair dela), verifico que o contribuinte tem gasto, nesta cidade, milhões na construção de ciclovias. Algumas ruas emagreceram significativamente para se poder “enfiar” lá a ciclovia.

Se vejo ciclistas a circularem na ciclovia? Eh! Alguns!

Mas… moral da história.

Passam carros e peões na Alfredo Pereira, dificilmente se entende porque passam os veículos por ali. O sentido do trânsito rodoviário na Alfredo Pereira é ascendente.

Um dia destes, fazíamos, a minha mulher e eu, o tal passeio “higiénico”, Alfredo Pereira acima (escolhemos subir porque melhora o esforço do exercício) e bem a escassos metros de nós, aconteceu! Um ciclista, descendo a Alfredo Pereira embateu brutalmente contra uma senhora que como nós, dava a sua passeata (talvez, também) de exercício. Foi uma valente “bordoada”! A senhora caiu e (embora não seja de lamentar) o ciclista também. Dá para ter uma perceção da velocidade a que o ciclista descia a rua em sentido contrário ao trânsito automóvel, e aqui, também, em sentido contrário ao dos peões!

Claro que um ciclista não é obrigado a ter carta de condução ou a fazer qualquer exame (mas são moda… são ecológicos, são “fitness” …), logo não deverá ser obrigado a conhecer as regras mínimas do código das estradas… e claro, também não é obrigado a ter seguro!…

Se a Câmara não tem nada a ver com isto? Podemos admitir que não… até porque este tipo de ciclista, fosse ou não fosse proibido o trânsito na Alfredo Pereira ele iria transitar na mesma por lá… agora também é proibido descer e será por isso, talvez, que o que lhes dá mesmo prazer é descer… e, se possível, atirar, de quando em vez, com um ou outo peão de cangalhas.

Peão…. Mais dia, menos dia, vamos ter de equacionar, quando sairmos para a rua, em Penafiel, se não devemos ir protegidos por um capacete. Pagamos milhões em ciclovias e o melhor é usarmos capacete, não vá sermos abalroados por algum ciclista que nos atire para uma cama de hospital com uma fratura craniana.

Leia mais artigos na página de opinião do IMEDIATO.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *