Sebastianas
Júri do concurso. Fotografia: Pedaços de Nós

O XVIII Concurso de Quadras Populares, organizado pela Associação Cultural e Recreativa Pedaços de Nós, em colaboração com a Comissão das Sebastianas 20+2, recebeu 387 quadras de vários pontos do país, um valor recorde na história da prova.

Os vencedores foram escolhidos por um júri composto por Alice Neto, Ilda Lopes e Juan Fernandez. O grande vencedor foi João Francisco da Silva, de S. Tiago dos Velhos, cuja recompensa foi um prémio de  250 euros em numerário. Em segundo lugar ficou Fernando Augusto Ribeiro da Costa, de Freamunde, e em terceiro Joaquim da Conceição Barão Rato, de Beja.

Conheça as quadras vencedoras sobre as Sebastianas.

1º. Prémio (Quadra N.º 141) – João Francisco da Silva / S. Tiago dos Velhos

Freamunde em tradição,

Tem linda festa, adorada,

No fim, fresca diversão

Com o “mel” da madrugada!

2º. Prémio  (Quadra N.º 129) – Fernando Augusto Ribeiro da Costa / Freamunde

Freamunde é tão bairrista

E o povo tão folião…

…mal perde a vaca de vista

Já corre atrás do capão…

3º. Prémio (Quadra N.º 79) – Joaquim da Conceição Barão Rato / Beja

Concertos, “vacas de fogo”,

O “mel” pela madrugada,

A Procissão é mais logo,

Freamunde abençoada.

Menção Honrosa (Quadra N.º 14) – Maria de Fátima Diniz C. Baptista / Cascais

O mel adoça a aurora,

Que teima em entrar na festa.

Freamunde, goza agora!

E amanhã dormes a sesta.

Menção Honrosa (Quadra N.º 220) – José Rosa Rosado Motrena / Setúbal

Às festas sebastianas

Eu vou tirar o chapéu,

Bordadas por mãos humanas

Com a cor azul do céu. 

Menção Honrosa (Quadra N.º 222) – José Rosa Rosado Motrena / Setúbal

Num painel de azulejos

Pintado p’la mão de Deus,

Vacas de fogo, desejos

Água, luz e beijos teus.

Menção Honrosa (Quadra N.º 229) – José Rosa Rosado Motrena / Setúbal

O fogo já está no ar

E toda a Terra difunde,

Os bombos a ribombar

Num final à Freamunde.

Menção Honrosa (Quadra N.º 271) – Fernando Augusto Ribeiro da Costa / Freamunde

Eu nunca vi o cortejo.

Sou um amante fiel.

Mato na “jóia” o desejo…

…só volto à hora do mel…

Menção Honrosa (Quadra N.º 273) – Fernando Augusto Ribeiro da Costa / Freamunde

Já vai alta a madrugada

Não sei se deva ficar

É pouco o mel da noitada

P’ra tanto fogo apagar…

Menção Honrosa (Quadra N.º 274) – Fernando Augusto Ribeiro da Costa / Freamunde

Carrossel, cestas, carrinhos,

Num frenesim sem quartel.

Bombos, marcha e uns copinhos…

…corre a vaca… entra no mel…

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.