Bruno Sousa é o cabeça de lista da Coligação Democrática Unitária (CDU) à presidência da Câmara de Penafiel. É natural do Porto mas reside em Oldrões desde os 3 anos. Fez os seus estudos na atual EB1 da Cal- çada, na EBS de Pinheiro e na Secundária de Penafiel. Licenciou-se em 2001 pelo ISCE em Professores do Ensino Básico na variante de Educação Física e é professor contratado a termo pelo Ministério da Educação. No ano de 2004 e de 2006 a 2008 foi monitor das AEC de Educação Física em várias escolas do concelho de Penafiel. De 2000 a 2004 foi monitor de natação nas piscinas municipais de Felgueiras, bem como colaborador no polo aquático e natação pura do FOCA-Clube de Natação de Felgueiras. Foi árbitro de polo aquático. Foi treinador de andebol feminino na Associação Recreativa Montiagra do Amial (Porto) e no AM Madeira Sad (Funchal – Madeira).

O que o levou a assumir esta candidatura?
Esta candidatura surge, em primeiro lugar, do grande objetivo nacional da CDU que é concorrer ao maior número possível de órgãos do poder local a nível nacional e que foi alcançado. Isto é algo que alguns partidos do arco da governação não conseguem. Em segundo lugar, após uma análise política, a CDU considerou ser esta a candidatura que, nestas eleições autárquicas, representaria os valores da justiça social, que defende o poder local ao serviço das populações e não ao serviço de alguns. Em suma, uma candidatura que pretende a melhoria das condições de vida dos penafidelenses e não esquece a luta da populações aquando da reorganização territorial, que eliminou freguesias quando estas são o primeiro contacto das populações com o Estado.

O que a distingue das restantes?
O que carateriza a candidatura da CDU é a defesa do bem-estar e a melhoria de qualidade de vida das populações. Isto não implica só a construção e implantação de equipamentos desportivos/lazer, melhores vias de comunicação, saneamento básico e passeios, mas também um esforço da sociedade em conseguir que todos tenhamos mais qualidade no tempo que é dedicado às atividades profissionais e pessoais. Pretendemos, dentro dos órgãos municipais, servir a população na resolução dos seus problemas, combater a precariedade laboral, o desemprego, atrair investimento para o nosso concelho e proporcionar melhor qualidade de vida aos penafidelenses.

Quais são as prioridades da candidatura que lidera?
Esta candidatura tem 6 áreas de intervenção, que chamo de compromissos com a população e não de promessas eleitorais. Dentro das competências e orçamento municipal elas são: fomentar o emprego, com direitos e premiar as boas práticas laborais nas empresas do concelho; apoiar o movimento associativo e que sejam parceiros efetivos da autarquia na dinamização cultural e desportiva; proporcionar maior dignidade e bem-estar à população sénior do concelho, que não se resume a uns passeios e encontros; promover ligações regulares dos transportes públicos à sede do concelho; polí- ticas para a juventude com a sua colaboração na definição das mesmas, que seja interventiva na Câmara e organizada em Associações de Estudantes e no movimento associativo; nas questões ambientais há o aterro sanitário de Rio Mau, o funcionamento das ETAR e há que premiar as boas práticas ambientais dos penafidelenses, começando pelos serviços da autarquia. Também nunca esquecendo a revisão do PDM, com a baixa do coeficiente de localização e do IMI; a reorganização do serviço de obras e aferir as condições que justificam o ajuste direto de obras sempre aos mesmos. A CDU propõe que a um posto de trabalho permanente tenha de corresponder um contrato de trabalho efetivo. Na função pública, mais concretamente com as assistentes operacionais das escolas, o município não deveria ficar à espera de programas e verbas do poder central, mas sim rapidamente colmatar as lacunas, com a apresentação de um contrato de trabalho para um posto de trabalho. No setor privado, promover a estabilidade laboral, numa época conhecida pelos brutais ataques aos direitos dos trabalhadores, através do ajuste da taxa de derrama municipal ao número de postos de trabalho que as empresas criem. É importante a atração de investimento como forma de aumentar a riqueza produzida no concelho e no país, nunca esquecendo que os trabalhadores também têm direitos. A CDU estará sempre ao lado dos trabalhadores e de todos os quiserem fazer de Penafiel a base dos seus negó- cios. Não podemos ignorar que, em todo o país e não só em Penafiel, houve um brutal ataque sobre os direitos dos trabalhadores, facto ligado à forte emigração que o país sofreu durante o governo de coligação PSD/CDS. Com a CDU, que tem provas dadas em tantas autarquias do país, visto que nos quinze concelhos mais populosos do país existem três que são geridos pela CDU (Loures, Almada e Seixal), é possível conciliar a criação de emprego com os direitos laborais dos trabalhadores e desta forma contribuir para a riqueza do país. É curioso que se fale tanto na atração do investimento quando temos há alguns anos a taxa máxima de derrama de IRC a 1,50% e a taxa reduzida a 0,75%. Aqui, porque não inovar? Uma proposta seria que as empresas que criem postos de trabalho efetivo possam ter uma taxa menor de derrama, nunca esquecendo o comércio e as indústrias que já estão presentes no nosso concelho.
Relembro igualmente que o IMT baixou para a taxa mínima prevista na lei, por iniciativa e luta do eleito da CDU na Assembleia Municipal. Uma outra questão interessante será que tipo de investimento/indústrias/serviços queremos que se estabeleçam em Penafiel? Devemos aproveitar e rentabilizar a proximidade da zona industrial aos serviços públicos da cidade, bem como das vias de comunicação rodoviária e ferroviária para aumentar a capacidade produtiva do concelho. Também poderíamos promover o turismo termal, o que iria dinamizar a zona das Termas de São Vicente e de Entre-os-Rios, outrora tão procuradas.
Por fim, ajudar na promoção da doçaria regional e das tradições do concelho. Pretendemos apoiar o comércio tradicional na cidade, analisando com os comerciantes as melhores formas de promover o nosso comércio, colocando-o em pé de igualdade com as grandes superfícies.
Dentro das condições financeiras da autarquia, o movimento associativo contará com o apoio incondicional da CDU.
Relativamente à população sénior pretendemos proporcionar dignidade e bem-estar a este grupo etário, em colaboração com as IPSS. Aqui também pretendemos inovar, pois os dados estatísticos colocam a nossa população a envelhecer e devemos estabelecer protocolos com universidades nacionais e cidades de países nórdicos para estudarmos como proporcionar um envelhecimento ativo da nossa população, não copiando esses modelos mas sim para construir o nosso caminho. Quanto às ligações das aldeias à sede do concelho, gostaríamos de reforçar o horário dos transportes públicos que servem a sede do concelho a partir das várias aldeias. Sobre a temática ambiental, existem duas questões que nos preocupam mais neste momento e que são o funcionamento das ETAR do concelho e o aterro sanitário de Rio Mau. Este foi construído em 1999 e ao fim de 10 anos deveria mudar de concelho mas ainda hoje se mantém em Rio Mau.

Em que áreas defende que tem que haver uma maior intervenção política?
Para a CDU todas as áreas são importantes pois acabam por estar ligadas na dinâmica da sociedade. Claro que para nós assumem especial importância as áreas da democracia económica, social e cultural. Defendemos que o desenvolvimento económico deve ter em conta a preservação do ambiente e boas práticas na relação laboral.
A nível social pretendemos um acesso generalizado e em condições de igualdade à saúde, à educação, à segurança social, ao desporto e aos tempos livres. Sobre a cultura, defendemos e promoveremos o acesso das populações à cultura.

Como analisa e avalia o último mandato autárquico?
Relativamente ao último mandato autárquico, assistimos à continuação do mais do mesmo que foi implementado em 2001. Não é com a extinção das freguesias que se serve os munícipes. Não é só com festas e passeios que se desenvolve o concelho. Não é com o lançamento de 30 empreitadas de melhoramento dos arruamentos das freguesias a menos de 90 dias das eleições autárquicas que se serve os penafidelenses. Por isto e pelas prioridades que atrás foram referidas, a CDU apresenta-se a este ato eleitoral como uma alternativa de esquerda, com propostas válidas e vontade de servir a população.

Quais são as suas expetativas para o dia 1 de outubro?
As expetativas para o próximo dia 1 de outubro são as que os penafidelenses nos derem no exercício do seu direito de voto. A CDU trabalha constantemente para obter os melhores resultados eleitorais possíveis. A nossa ambição é melhorar a qualidade de vida das populações, quer seja a nível profissional quer a nível familiar. Para que isto seja possível, gostaríamos de reforçar a votação nas 28 Assembleias de Freguesia, na Assembleia Municipal e na Câmara Municipal, para que possamos mostrar a diferença e a nossa capacidade em relação aos restantes partidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *