A Unidade de AVC do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS) recebeu o prémio “AVC e Investigação Clínica 2019”, no âmbito do 20.º Congresso do Núcleo de Estudos da Doença Vascular Cerebral da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI), que se realizou a 29 e 30 de novembro, no Porto.

“Trombectomia Mecânica e Independência Funcional: comparação dos ensaios clínicos com o mundo real – Análise de 3 anos” foi o trabalho distinguido e no qual a atividade e os resultados da Unidade foram comparados aos cinco principais estudos internacionais sobre a trombectomia mecânica.

Os resultados da Unidade de AVC foram superiores aos apresentados nos estudos, tendo-se concluído que utilizando esta técnica, o cateterismo das artérias cerebrais, os doentes regressam ao domicílio com autonomia recuperada e independência funcional.

Para Carlos Alberto, presidente do Conselho de Administração do CHTS, este “é um prémio que nos enche de orgulho e que dá corpo à estratégia de valorização crescente que se pretende para servir cada vez melhor a nossa população”.

O Congresso do Núcleo de Estudos da Doença Vascular Cerebral é um dos maiores congressos da SPMI, sendo anualmente atribuídos 3 prémios na área do AVC. Além do CHTS com o prémio Investigação Clínica, foram também distinguidos o Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central e o Centro Hospitalar Universitário de São João, com os prémios Inovação e Dinamismo e Investigação Básica, respetivamente.

A Unidade de AVC do CHTS iniciou a sua atividade em julho de 2009, foi criada após a implementação da Via Verde AVC na instituição, e nos últimos três anos foram internados nesta unidade mais de mil doentes. Recebeu este prémio fruto dos seus resultados que, nos últimos 3 anos, foram superiores aos resultados destes estudos. Conta com mais de 20 internos no Serviço, para além da participação de médicos internos.

O prémio conquistado, uma bolsa de estágio, com a duração de três meses, num centro de referência mundial, em Oxford, será entregue a um interno da unidade.