IMG 3966

Três carrinhas partiram de Paredes, na manhã deste sábado, em direção à fronteira entre a Polónia e a Ucrânia, numa missão humanitária que vai permitir trazer 21 refugiados ucranianos para Portugal.

A iniciativa conjunta do município de Paredes, da Associação de Pais do Agrupamento de Escolas Joaquim Araújo, de Penafiel, a Hexágono – Associação dos Antigos Alunos da Escola Secundária de Paredes e a Associação de Estudantes da Escola Secundária de Paredes, conta com o apoio de vários parceiros locais e do Grupo JAP, que disponibilizou três viaturas de nove lugares.

“Esta iniciativa partiu daquilo que vemos na televisão e das necessidades que vamos encontrando entre o povo ucraniano”, referiu ao Jornal Imediato Raul Ribeiro, presidente da Associação de Pais do Agrupamento de Escolas Joaquim Araújo, de Penafiel.

Esta missão começou por ser de recolha de bens, como tantas outras que têm acontecido um pouco por todo o Mundo. Mas depressa se transformou em algo maior. “Havia a necessidade de ir buscar mães, com crianças e jovens”, acrescentou.

Assim, com o apoio da autarquia deram o mote a uma ação humanitária que já vai a caminho da Polónia e que vai permitir trazer 21 pessoas, entre mulheres, crianças e jovens, para Portugal. Dos 21 refugiados, três são uma família que tem como destino o concelho de Paredes, uma vez que têm familiares residentes no concelho paredense.

Na concretização do objetivo, os seis voluntários (três do concelho de Paredes e outros tantos do concelho de Penafiel) vão levar as três viaturas até à fronteira entre a Polónia e a Ucrânia, contaram com o apoio do município, que vai suportar as despesas de combustível e portagens. Partem com “um espírito solidário” e com ânimo pela recetividade que tiveram da comunidade, mas também “com muita ansiedade”. “Não sabemos o que nos espera, nem o que vamos encontrar. Mas queremos dar ânimo às pessoas que vamos buscar, uma nova esperança e dizer-lhes que tudo o que passaram, vai ser brevemente reposto e eles vão poder voltar ao seu país”, concluiu Raul Ribeiro.

Os refugiados que vão ser trazidos para Portugal, foram identificados através da Embaixada, que fez a ponte com uma associação de Vila Nova de Gaia, que identificou as pessoas que queriam vir para a região. Foi ainda concertada com o Alto Comissariado para as Migrações, com quem o município de Paredes tem articulado a ajuda humanitária a prestar à Ucrânia.

Esta ação é mais uma que conta com o apoio da autarquia paredense. “Desde o primeiro momento que quisemos apoiar esta iniciativa”, referiu Alexandre Almeida, presidente da Câmara Municipal de Paredes, destacando a “satisfação” pela saída de três carrinhas em direção a solo ucraniano.

“Foi uma conjugação de esforços feliz. Desejo que lhes corra bem a viagem e que, o mias breve possível, estejam cá com os refugiados”, concluiu o autarca.

 

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.