Tribunal1 1

Um homem de 49 anos, terapeuta ocupacional e osteopata de Felgueiras, foi condenado a três anos de prisão efetiva, por um crime de abuso sexual, cometido contra uma paciente, que procurou os seus serviços da sua clínica para tratar as dores provocadas por contraturas musculares.

O crime ocorreu em julho de 2020, quando a vítima se deslocou, pela segunda vez, à clínica de Adelino F., para aliviar uma dor devido a contraturas musculares. Durante o tratamento, o profissional foi dando indicações à paciente sobre as formas em que esta se devia posicionar na marquesa onde se encontrava deitada, em roupa interior. A determinada altura, e sob pretexto de que estaria a movimentar-se incorretamente e precisava de a ajudar, molestou-a sexualmente.

Depois de sair da clínica e sentindo-se “perturbada e incomodada” com o sucedido, a paciente questionou o procedimento junto de especialistas e percebeu que a atitude do terapeuta em nada tinha a ver com o tratamento da sua patologia. Apresentou então queixa e Adelino F. foi julgado por um crime de violação.
No decorrer do julgamento, Adelino F. negou os factos dizendo que apenas manipulou o osso junto à zona púbica. Mas para o Tribunal o depoimento “inatacável, coerente e credível” da ofendida não deixou dúvidas de que o terapeuta cometeu o crime, aproveitando-se da vítima a pretexto do tratamento terapêutico que estava a realizar e Adelino F. foi condenado a uma pena efetiva de três anos de prisão por um crime de violação.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.