Colégio marca d'água 2020/21

Depois do empate no Moreirense, o Futebol Clube de Paços de Ferreira podia ter selado a manutenção na I Liga já na quarta-feira, se o Belenenses saísse derrotado da partida em Braga.

Este seria o epílogo desejado para uma época sofrida, em que os Castores passaram quase toda a primeira volta na zona de despromoção, mas que a boa aposta no mercado de janeiro, com as entradas de Marcelo, João Amaral, Eustáquio e Adriano Castanheira, soube recompor.

A equipa começou a somar pontos importantes e, no pós-retoma depois da interrupção, tem-se revelado uma das que melhores prestações competitivas e individuais tem apresentado.

A partida frente ao Moreirense não foi fácil e a primeira parte foi dominada pela equipa da casa, que chegou ao intervalo a vencer, mercê de um golo de penalti, marcado por Steven Vitória (36’).

Na segunda parte foi um Paços diferente, para melhor, a subir ao relvado e os Castores acabaram por dominar o jogo quase por completo. O empate adivinhava-se e acabou por surgir aos 75 minutos. Pontapé de canto de João Amaral e Marco Baixinho desviou de cabeça para o fundo das redes do Moreirense. Um golo oportuno e muito festejado pela equipa, ciente da importância que o mesmo poderia ter para a resolução da época.

O empate (1-1) manteve-se até final e o precioso ponto abriu as portas à manutenção.

Na partida que se seguiu o SC Braga esteve a vencer, mas permitiu o empate do Belenenses, adiando para a penúltima jornada a possibilidade dos Castores confirmarem a presença pela 22ª vez na I Liga.