Penafiel
Fotografia: “O Blog do David”

Fundado a 8 de fevereiro de 1951, o Futebol Clube de Penafiel surgiu para colmatar a ausência de um clube que representasse a cidade, depois da extinção do Clube Desportivo Penafiel, que em 1933 foi originado pela fusão do Sport Club de Penafiel e da União Desportiva Penafidelense.

Nas décadas que se seguiram o emblema rubro-negro foi ganhando protagonismo a nível distrital e nacional, tendo chegado pela primeira vez à III Divisão em 1957, à II em 1965 e, finalmente, ao patamar maior do futebol português em 1980.

A década de 1980 foi, aliás, aquela em que os durienses foram mais pujantes, uma vez que iniciaram aí um ciclo de dez presenças na I Divisão em 12 anos, conseguindo obter em 1980-81 e em 1987-88 o 10.º lugar, a melhor classificação alguma vez alcançada no primeiro escalão.

Após ser despromovido à II Divisão em 1992, o Penafiel regressou ao convívio entre os grandes entre 2004 e 2006 e mais tarde em 2014-15.

Em termos de II Liga, o clube do distrito do Porto é o recordista de participações (26), tendo como melhor classificação o 3.º lugar alcançado em 2003-04 e 2013-14. Em ambas as ocasiões, o último degrau do pódio valeu a subida à I Liga.

Paralelamente, atingiu as meias-finais da Taça de Portugal em 1985-86 e os quartos de final em 1978-79, 1981-82, 1987-88, 1991-92, 1995-96 e 2013-14.

Vale por isso a pena recordar os dez jogadores com mais jogos pelo Penafiel na II Liga.

10. Pedro Coronas (129 jogos)

Lateral/extremo direito nascido em Penafiel e formado no clube da terra, transitou para a equipa principal em 2009-10. Nas primeiras quatro épocas nos seniores dos durienses amealhou 90 partidas (64 a titular) e oito golos na II Liga.

No verão de 2013 deu o salto para o Vitória de Setúbal, que lhe deu a possibilidade de jogar na I Liga, mas após inúmeros problemas físicos e passagens por Moreirense, Marítimo, Académica e Cova da Piedade, regressou ao Municipal 25 de Abril seis anos depois.

Nesta segunda aventura nos penafidelenses, totalizou 39 encontros (35 a titular) e um golo (ao Cova da Piedade, em dezembro de 2020) no segundo escalão ao longo de duas temporadas. No verão de 2021 transferiu-se para o Leixões.

9. Avelino (134 jogos)

Guarda-redes de baixa estatura (1,80 m) formado no FC Porto (ao lado de Hilário, Sérgio Conceição e Romeu) e internacional jovem português que conquistou o título europeu de sub-18 em 1994, passou pelos seniores do Felgueiras antes de ingressar no Penafiel no verão de 1996. Na primeira passagem pelos durienses, entre 1996 e 2000, amealhou 110 encontros (todos como titular) e 128 golos sofridos na II Liga.

Após passagens por Beira-MarLeça e Marco, voltou ao Municipal 25 de Abril no verão de 2003 para alcançar a promoção à I Liga logo na época de regresso, embora tivesse vivido na sombra de Nuno Santos, tendo apenas jogado (e sofrido um golo) na última jornada, quando a subida estava já assegurada.

Após dois anos de escassa utilização no primeiro escalão, permaneceu no clube após a descida à II Liga, patamar em que totalizou 23 jogos e 20 golos sofridos entre 2006 e 2008, despedindo-se dos penafidelenses com a despromoção à II Divisão B.

8. João Paulo (137 jogos)

Defesa central nascido em Braga e que chegou a jogar nos juvenis do Sp. Braga, passou pelos seniores de Merelinense, VilaverdenseDesp. AvesPortimonense e pelos romenos do Cluj antes de assinar pelo Penafiel no verão de 2015. Em cinco temporadas ao serviço do emblema duriense amealhou 137 jogos (134 a titular) e onze golos na II Liga.

Embora fosse um habitual titular e um dos capitães nos penafidelenses, no verão de 2020 decidiu dar um passo atrás na carreira para representar o Trofense no Campeonato de Portugal.

7. Celso (140 jogos)

Lateral direito natural de Lousada, começou a jogar futebol no Freamunde, de onde saltou para o Penafiel durante o verão de 1999. Na primeira passagem pelos durienses, entre 1999 e 2002, amealhou 77 partidas (todas como titular).

Em 2002-03 representou o Sp. Braga B, mas na época seguinte regressou ao Municipal 25 de Abril para contribuir para a promoção à I Liga, numa campanha em que atuou em 29 jogos (sempre a titular). Seguiram-se dois a jogar com alguma regularidade no primeiro escalão, tendo permanecido no clube apesar da descida à II Liga, patamar em que totalizou 34 encontros (33 a titular) entre 2006 e 2008, despedindo-se dos penafidelenses com a despromoção à II Divisão B.

6. Pedrinha (141 jogos)

Médio nascido em Oliveira de Azeméis, mas radicado na zona do Tâmega e Sousa desde tenra idade, concluiu a formação no Penafiel, tendo transitado para a equipa principal em 1996-97. Ao longo das cinco primeiras temporadas enquanto sénior amealhou 110 encontros (86 a titular) e quatro golos ao serviço dos durienses na II Liga, tendo em 2001 dado o salto para o Paços de Ferreira, então no primeiro escalão.

Após quase uma década nos pacenses e uma passagem pelo futebol búlgaro, regressou aos penafidelenses no verão de 2011, aos 33 anos, para totalizar 31 jogos (21 a titular) ao longo de um ano e meio.Em janeiro de 2013 pendurou as botas e tornou-se adjunto de Miguel Leal na equipa principal do Penafiel. Haveria de voltar ao clube ao clube em 2018-19 para assumir o comando técnico da equipa B e em 2021-22, desta vez como adjunto na equipa principal, desta feita de Filipe Rocha [Filó].

5. Romeu Ribeiro (152 jogos)

Médio defensivo natural de Vieira do Minho, internacional jovem português e com carimbo da formação do Benfica, chegou a jogar seis vezes pela equipa principal dos encarnados em 2007-08, mas depois foi sucessivamente emprestado a Desp. AvesTrofense e Marítimo.

No verão de 2013 trocou a equipa B dos madeirenses, pelos quais já estava vinculado a título definitivo, pelo Penafiel, tendo na primeira época no Municipal 25 de Abril atuado em 28 jogos (15 a titular) na II Liga, contribuído para a promoção à I Liga e para a caminhada até aos quartos de final da Taça de Portugal.

Após um ano primeiro escalão, mas sem conseguir evitar a despromoção, representou o Académico Viseu em 2015-16.

Porém, na temporada seguinte regressou aos durienses para iniciar um ciclo de mais quatro anos no clube, tendo amealhado 124 partidas (119 a titular) e dois golos na II Liga entre 2016 e 2020. No verão de 2020 transferiu-se para o Casa Pia.

4. Guedes (154 jogos)

Avançado nascido em Penafiel e formado no clube da terra, transitou para a equipa principal em 2005-06, quando ainda era júnior e os durienses estavam na I Liga. Nas duas épocas que se seguiram ganhou espaço no plantel, tendo nesse período amealhado 43 jogos (34 a titular) e seis golos na II Liga, não conseguindo impedir a descida à II Divisão B. Pelo meio, participou no Campeonato do Mundo de sub-20 em 2007 e tornou-se internacional sub-21 por Portugal.

Em 2008-09 esteve cedido ao Paços de Ferreira, mas na temporada seguinte regressou ao Municipal 25 de Abril. Entre 2009 e 2014 totalizou 111 encontros (56 a titular) e 12 remates certeiros no segundo escalão, tendo contribuído para a promoção à I Liga e para a caminhada até aos quartos de final da Taça de Portugal em 2013-14.

Em 2014-15 mostrou-se impotente para evitar a despromoção dos penafidelenses à II Liga, mas valorizou-se e por isso deu o salto para o Rio Ave no final dessa época.

3. Luís Dias (155 jogos)

Defesa lateral da mesma geração de Guedes, também nasceu em Penafiel, foi formado no clube da terra e transitou para a equipa principal em 2005-06, quando ainda era júnior e os durienses se encontravam a competir na I Liga.

Nas duas épocas que se seguiram ganhou espaço no plantel, tendo nesse período amealhado 37 jogos (22 a titular) e um golo (ao Desp. Aves, em maio de 2018) na II Liga, não conseguindo impedir a descida à II Divisão B.

Em 2008-09 foi importante para assegurar o regresso ao segundo escalão, patamar em que totalizou 74 encontros (72 a titular) e dois golos entre 2009 e 2012. No verão de 2012 cortou o cordão umbilical que o ligava aos penafidelenses para ajudar o Arouca a subir à I Liga, tendo ainda passado pelo Santa Clara antes de regressar ao Municipal 25 de abril no verão de 2016.

Nesta segunda passagem pelo Penafiel não foi além de 26 partidas (23 a titular) distribuídos por três temporadas, numa fase em que já exercia as funções de treinador-adjunto dos juvenis. Em meados de 2019 transferiu-se para o Lusitânia de Lourosa.

2. Rafa Sousa (200 jogos)

 

Médio defensivo de elevada estatura (1,86 m) natural de Cête, no concelho de Paredes, jogou ao lado de Ventura, Castro, Hélder Barbosa e Ukra nas camadas jovens do FC Porto antes de concluir a formação no Penafiel. Na primeira época na equipa principal, em 2007-08, não foi além de dois jogos (um a titular) na II Liga, não conseguindo evitar a descida à II Divisão B.

Contudo, Rafa Sousa aproveitou a despromoção ao terceiro escalão para ganhar espaço no plantel, tendo reaparecido em 2009-10 na II Liga como uma peça importantíssima na equipa, o que lhe inclusivamente lhe valeu uma internacionalização pelos sub-21 de Portugal. Entre 2009 e 2013 amealhou 101 partidas (86 a titular) e cinco golos pelos durienses no segundo escalão.

No verão de 2013 deu o salto para o Nacional, então na I Liga, mas um ano depois foi cedido aos penafidelenses, que tinham acabado de subir ao primeiro escalão, embora tivessem descido logo a seguir.

Em 2015-16 representou o Moreirense, mas na temporada seguinte voltou ao Municipal 25 de Abril para mais cinco temporadas no Penafiel, tendo amealhado 97 encontros (87 a titular) e cinco golos na II Liga entre 2016 e 2021. Esses números poderiam ser mais elevados, mas uma lesão nos ligamentos afastou-o dos relvados durante largos meses em 2018.

Quando chegou aos 200 jogos na II Liga, confessou sentir-se orgulhoso. “É uma marca que me deixa satisfeito, é um motivo de orgulho. Podiam ter sido mais, se não fosse, sobretudo, a lesão que tive há dois anos [em 2018], naquela que estava a ser, talvez, a minha melhor época em termos desportivos”, afirmou à Marcoense FM.

“Naquela altura, o Penafiel lutava pela subida de divisão, hipótese que perdeu na penúltima jornada, em casa. Eu era totalista até ao momento, tinha feito todos os jogos, todos os minutos, e estava a fazer uma excelente época. Achava mesmo que ia subir de divisão, mas infelizmente ocorreu a lesão. Não pude dar o meu contributo nos últimos dez jogos. Foi um momento que me deixou alguma mágoa”, recordou. No verão de 2021 transferiu-se para o Vila Meã.

1. Ferreira (226 jogos)

Médio defensivo/defesa central natural de Oldrões, freguesia do município de Penafiel, concluiu a formação no Futebol Clube de Penafiel e esteve ligado ao clube durante toda a carreira, apesar de ter estado emprestado ao Tirsense em 2000-01 e ao Marco entre 2004 e 2006.

Após se ter estreado com um golo no único jogo que disputou na II Liga em 1999-00, amealhou mais 43 jogos (28 a titular) e quatro golos entre 2001 e 2004, tendo contribuído para a promoção à I Liga.

Enquanto os durienses estiveram no primeiro escalão, Ferreira esteve cedido ao Marco, mas regressou a casa assim que os penafidelenses voltaram ao segundo escalão, patamar em que totalizou 56 encontros (53 a titular) e dois remates certeiros entre 2006 e 2008, não conseguindo evitar a descida à II Divisão B.

Em 2008-09 fez parte da equipa que assegurou o regresso à II Liga, patamar em que nas cinco temporadas que se seguiram amealhou 126 partidas (115 a titular) e oito golos, tendo ajudado o Penafiel a subir à I Liga e a chegar aos quartos de final da Taça de Portugal em 2014.

Na última época da carreira, em 2014-15, estreou-se finalmente no primeiro escalão, aos 34 anos. Após pendurar as botas tornou-se treinador adjunto na equipa principal, mas depois passou a integrar o staff técnico de Miguel Leal, mesmo noutras paragens.

Leia o artigo completo n’ “O Blog do David”, da autoria de David Pereira.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.