Autor: Traidor Poema / Guerra/ Milho / Sanções / preço / guerra / pandemia / Natal / Bola de Ouro / Santo / Feira / Marcelo / Vazio / Presidente / Farda / Messi / Vacina / Férias / Europeu, "criança"; "Fraude" "Jogo" "Liberdade"; "Juízes", "Política sem vergonha","Presságio, A vitória da frustração", "País doente"

– O Natal merece muito mais do que aquilo que se vê. Dessa correria que entope o trânsito, do esforço de carregar para casa sacos cheios, uns de roupa que se pensa será útil, outros de sapatos para juntar e estrear numa noite que requeira brilho. Outros encomendam bolos e mais doçuras que levem açúcar doentio para adocicar as zangas que surgirão pelos gastos feitos e sem necessidade. Outros ainda especialistas em vinhos, querem surpreender os convivas e escolhem como enólogos amadores mas bons bebedores, por entre estantes dos mercados que os provocam e incitam aos desvarios dos gastos exagerados. O Natal prova-nos de que a crise de que se fala e de que nos queixamos é uma “tolice” de alguns choramingas que na hora das compras, sacam dos bolsos o dinheiro que, disseram, lhe faltou sempre durante o ano.

O Natal diz-nos que o cinismo é uma floresta brilhante de muita hipocrisia, é notícia gorda pendurada numa pequena e doméstica Árvore de Luzes, exposta no canto da casa mesmo a precisar de obras e retoques, que fará capa de revista ou jornal diário como sempre acontece. É claro que virá agarrada ao drama de muitos gentios, à pobreza, e nos quer entristecer com sem abrigos e grutas frias onde se abrigam todas as lamechas, que também circulam pelos ricos mercados provocatórios que a todos assediam e vão aos bolsos onde sobra ainda um último tostão.

A “tal crise” afinal não é tão grande como nos querem vender. No Natal, o dinheiro surge de onde menos se espera e ainda antes de ser encontrado no sapatinho e da sua comemoração em família ou só por entre lágrimas no dia seguinte. Haja Natal sempre que o Homem quiser e se disponha a festejar mesmo se teso como um carapau que o bacalhau está caro, embora saibamos que a tantos rotos quase sem rosto, uma sopa quente desse jeito naquela hora santa.

Aleluia, que não faltam peluches a fazer de figurantes. Aleluia!

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.