Sebastianas
Fotografia: Sebastianas Freamunde / Frame In Blending

Com um “balanço positivo”, a Comissão das Sebastianas 20+2 deu esta semana por terminado um trabalho de três anos com a realização das festividades. Estima-se que largos milhares de pessoas se tenham deslocado a Freamunde, saudosos daquelas que são consideradas as maiores romarias da região.

“Faço um balanço bastante positivo das Sebastianas deste ano, correu tudo bastante bem. Há a lamentar o facto de não podermos lançar fogo de artifício, mas tirando isso foram as festas que tanto esperávamos”, contou ao IMEDIATO o presidente da Comissão das Sebastianas, Ricardo Carvalho.

A entidade organizadora das festividades estima que, ao longo dos seis dias de romaria, mais de 300 mil pessoas tenham dito “presente”, vindas de vários pontos do país.

Algumas mudanças, como a colocação do palco «Arraial», onde a música popular foi rainha, e um reforço logístico trouxeram à festa “novas dinâmicas”.

O único “senão”, a impossibilidade de lançar fogo de artifício devido ao risco de incêndio, pode ser colmatado com um espetáculo pirotécnico nos próximos dias. “Estamos a ver essa possibilidade”, admitiu a Comissão.

Tapetes Sebastianas Aurora Bica 2 1
Sebastianas Freamunde / Frame In Blending

“Orgulho no tapete”

Como não podia faltar, a tradicional procissão em honra ao Mártir S. Sebastião saiu à rua no domingo à tarde. Contou com a participação de mais de três mil pessoas, centenas das quais na elaboração dos tapetes. “Os tapetes são muito importantes neste momento solene da festa. São feitos por voluntários e a Comissão de Festas trata da parte logística”, relatou ao IMEDIATO o presidente da Comissão.

“É com muito orgulho e vaidade que fazemos o tapete na nossa rua”, disse ao IMEDIATO Aurora Marques, a “Aurora Bica”, que cumpriu uma tradição de família e participou na realização do tapete por onde passou a procissão.

Com 60 anos, a freamundense aprendeu com a mãe a arte de adornar as ruas e a tradição passa de geração em geração. O seu grupo, com 30 pessoas, fez 42 metros dos 2,3 quilómetros de tapete. “Encarnamos esta festa de tal maneira que fazemos todos os anos uma t-shirt a dizer “Team Bica”, brincou.

O tapete da procissão é típico, e se inicialmente se fazia com flores, há cerca de duas décadas começou a ser feito em fitas de madeira, pintadas de várias cores. O tema da festa deste ano é “Culturas do Mundo” e o grupo de Aurora desenhou no chão as bandeiras dos cinco continentes, um arco com a Torre Eiffel e um retrato do cartaz das Sebastianas.

“Há uma alegria muito grande em fazer o tapete. Cada parte das Sebastianas não se explica, só se sente e para mim e para a minha família, uma parte importante é fazermos o tapete”, disse, orgulhosa.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.