O vice-presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferrreira, Paulo Ferreira, garantiu durante a Assembleia Municipal Extraordinária, realizada na quinta-feira, que a ETAR de Arreigada vai entrar em pleno funcionamento no mês de agosto.

Questionado por um cidadão, o vice-presidente afirmou que “a obra está concluída”, mas existiram “alguns percalços” na obra, “o maior deles o novo coronavírus”. Segundo o mesmo, sem a pandemia, a obra “já estava em pleno funcionamento”.

Assim, a última parte da empreitada, necessária para o tratamento pleno dos resíduos dos cerca de 56.000 habitantes do concelho, vai estar concluída “durante o mês de agosto”, garantiu Paulo Ferreira.

Segundo o mesmo, a empresa que ganhou o concurso internacional e ficou responsável pelo fornecimento e montagem dos equipamentos está sediada na Áustria, país que tem Portugal na “lista negra” de viagens.

Estando os técnicos austríacos impedidos de acompanhar a fase final da empreitada pessoalmente, esse trabalho está a ser feito “todos os dias” remotamente.

Assim, o vice-presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira sublinhou que “ninguém abandonou a obra”, estando cada vez mais próxima de entrar em funcionamento pleno.  

“Em 2013, quando assumimos funções, tínhamos um problema: a ETAR em funcionamento estava absolutamente obsoleta e não tinha a capacidade para tratar as águas residuais de 56.000 habitantes e os atentados ambientais sucediam-se ano após ano”, contou Paulo Ferreira.

De acordo com o vice-presidente, “era impossível” a autarquia suportar o custo de 5 milhões de euros que a obra implica e foi conseguido “com muita insistência” ao Governo.

“A ETAR de Arreigada é das melhores do país e vai ter equipamentos que nenhuma outra tem. Apenas no equipamento biológico estão três milhões de euros”, explicou.

Reveja a reportagem do IMEDIATO sobre a poluição no Rio Ferreira:

ouro e prata