covid-19 / Polícia Judiciária ; PJ ; abuso sexual
Fotografia: Direitos Reservados

A Polícia Judiciária deteve três mulheres e quatro homens, com idades entre os 26 e 36 anos, que se preparavam para embarcar num voo para outro país europeu. Segundo um comunicado enviado pela força policial, os suspeitos apresentaram comprovativos de resultados negativos à covid-19 falsos para realizarem a viagem.

O caso aconteceu numa das portas de embarque do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. Os sete indivíduos preparavam-se para apanhar um voo com destino a outro país dentro do espaço aéreo europeu, quando foram detidos devido à apresentação de certificados de testagem falsificados.

De acordo com a Polícia Judiciária, este caso é suscetível de enquadrar a prática de crimes de falsificação de documento, propagação de doença, branqueamento de capitais e falsidade Informática. “A falsificação de resultados dos testes põe em causa a confiança nos mesmos, gera insegurança nos operadores e no cidadão comum, inviabiliza a adoção das medidas adequadas à contenção da propagação e, suscitando a dúvida sobre a autenticidade dos comprovativos covid-19″, indica a PJ.

A operação, apelidada de «VOO Rasante», foi desenvolvida em colaboração com os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS). Os sete detidos foram sujeitos a primeiro interrogatório judicial no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa.

Subscreva a newsletter do Imediato

Assine nossa newsletter por e-mail e obtenha de forma regular a informação atualizada.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.