José Armando Amorim é o candidato PCP-PEV à Câmara Municipal de Paços de Ferreira. Tem 67 anos, é vendedor e natural de Paços de Ferreira.

 

O que o levou a candidatar-se?

Sou militante do Partido Comunista Português, foi-me colocada esta tarefa pelos meus camaradas, tenho confiança no meu partido e nos meus camaradas que juntos podemos fazer diferente e melhor pelos trabalhadores e o povo de Paços de Ferreira.

O que o distingue dos restantes?

Desde logo não ser uma candidatura de um só homem. É uma candidatura de um colectivo de homens e mulheres do povo, que conhecem e vivem os problemas, que sofrem com eles e que têm o sonho de transformar o mundo, o país e o concelho.

Distingue-nos a marca de classe, ou seja, estamos ao serviço dos trabalhadores e do povo, não somos beneficiados financeiramente ou de outra forma pelo exercício de  cargos politicos, o que depois se reflecte naturalmente na acção. A CDU, os seus candidatos, são verdadeiramente independentes face aos interesses económicos dominantes.

Quais são as prioridades da candidatura que lidera?

A candidatura da CDU estará ao lado dos trabalhadores e do povo nas suas lutas, exercerá as funções que lhe forem confiadas com seriedade e com proximidade, terá como prioridade o desenvolvimento económico e o trabalho com direitos, a acção social, habitação e educação bem como o desenvolvimento harmonioso com o ambiente. O combate às assimetrias e o direito à mobilidade no concelho.

Em que áreas defende que tem que haver uma maior intervenção política?

A candidatura da CDU incidirá a sua intervenção politica nas questões abordadas no ponto anterior, como sejam:

  1. a) Desenvolvimento económico e o trabalho com direitos.
  2. b) As questões sociais, habitação e educação, saúde (médicos de família) , mobilidade e cultura.
  3. c) A cobertura integral do concelho pela rede de saneamento básico.
  4. d) A resolução urgente do problema que representa , na actual situação, a ETAR de Arreigada.

Como analisa a avalia o último mandato autárquico?

A não resolução de necessidades básicas da população, o não cumprimento de promessa feita em 2013, e ainda, ter sido a ultima Autarquia do distrito do porto a pôr  em prática  as 35 horas para os seus trabalhadores, e só depois de obrigada por lei, manifestando desta forma a ideia que tem sobre o mundo do trabalho e os trabalhadores. Tudo isto é o suficiente para a CDU criticar a gestão autárquica que termina em 1 de Outubro de 2017.

Quais são as suas expetativas para o dia 1 de outubro?

Estamos prontos a exercer todas as responsabilidades que nos forem confiadas. Certo é que um vereador da CDU seria o vereador do povo, a sua voz mais acertiva e um factor de transparência na gestão municipal.

Se há conclusão que podemos tirar da actual situação politica nacional, é que isto não é um jogo do ganha e perde, foi por acção do PCP que se interrompeu, em aspectos fundamentais, a politica de roubo e empobrecimento. O PCP e a CDU são determinantes, podem ser também em Paços de Ferreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *