A 54ª edição do WRC Vodafone Rally de Portugal vai acontecer de 21 e 24 de maio, passando pelos concelhos de Paredes, Lousada e Felgueiras. A prova vai ser a maior de sempre, com um percurso de mais de 1.500km.

Em comunicado, a organização adiantou que a prova “promete muitas emoções aos adeptos da modalidade” e que vai envolver 14 municípios, três deles situados no Vale do Sousa.

Logo no primeiro dia, 24 de maio, os pilotos vão ter a chance de testar os seus carros pela última vez no típico Shakedown em Paredes. Esta também vai ser a primeira oportunidade para os fãs verem “pela primeira vez ‘em ação’ todas as máquinas e pilotos”.

Depois do Shakedown, o evento desloca-se do Vale do Sousa para Coimbra, onde a cerimónia oficial de partida vai tomar lugar, antecedida por uma sessão de autógrafos.

Já no segundo dia da prova, depois de um dia de “intensa competição” em Lousã, Góis e Arganil, passando também pelo novo troço de Mortágua, os pilotos vão regressar à região do Vale do Sousa, desta vez para o Eurocircuito de Lousada, onde vai acontecer a única Super Especial do rali.

No sábado, WRC Vodafone Rally de Portugal vai passar por Vieira do Minho, Cabeceiras de Basto e Amarante, considerada pela organização “a classificativa mais longa e certamente uma das mais exigentes do rali”. O terceiro dia de competição vai terminar na Invicta, com o regresso da Porto Street Stage, que volta a ser disputada na zona da Avenida dos Aliados, junto à Câmara Municipal.

Já o quarto e último dia é, para a organização, “uma etapa curta, mas de grande importância e algumas novidades”.

Uma das introduções novas é o troço de Felgueiras, com uma dupla passagem da caravana do mundial de ralis. No mesmo dia, os pilotos vão ainda passar por Montim e Fafe.

Depois de um percurso de 1.582 km, a consagração dos pilotos e equipas está marcada para a Marginal de Matosinhos, junto ao mar, onde são esperados milhares de fãs do WRC Vodafone Rally de Portugal para a festa final da cerimónia de pódio.

Durante toda a prova a Exponor, em Matosinhos, vai ser a base operacional do rali, onde vão acontecer “verificações administrativas e técnicas, o parque de assistência e a maior parte das partidas e chegadas”. Com entrada gratuita, este é, para a organização, o local ideal para os adeptos contactarem com os pilotos e as equipas e verem de perto as “máquinas” do WRC.

Espera-se prova “muito competitiva”

Para a organização, esta 54ª edição do WRC Vodafone Rally de Portugal vai ser “muito competitiva”, maioritariamente devido a muitas (e grandes) mudanças nas equipas e pilotos.

O atual Campeão do Mundo, Ott Tänak, mudou para a equipa Hyundai Motorsport, assim como Sebastien Ogier, que já foi seis vezes Campeão do Mundo de Ralis, passou para a Toyota Gazoo Racing.

A prova portuguesa pontua em termos internacionais, tanto para o Campeonato do Mundo de Ralis, bem como para o campeonato WRC2, sendo, aos olhos da organização, “uma excelente oportunidade para os melhores pilotos portugueses poderem concorrer e mostrar-se perante os melhores pilotos internacionais”.