Também o PSD de Paços de Ferreira se pronunciou, em nota de imprensa, sobre a questão da água e o recuo por parte da Águas de Paços de Ferreira (AdPF), depois de ter anunciado o aumento do tarifário. Afirmam-se surpresos com o anúncio da empresa e exigem que esta mande uma carta à população, da mesma forma que o fez há dias, para anunciar o aumento do tarifário “um ofício que gerou confusão entre a população do nosso concelho, importunando-a com um assunto que se verificou ser (e ainda bem) inconsequente”.

“O PSD considera que o anúncio, feito ontem numa rede social, não é suficiente, pelo que exige que a empresa use o mesmo meio utilizado há cerca de duas semanas (ofício) para informar adequadamente a nossa população. Já que não se encontra estabilidade de posições na nossa Autarquia, exigimos que esta empresa não volte a assumir posições deste género, pois este não comportamento errático não é admissível”, afirmam, acrescentando que “nunca, em momento algum, o PSD de Paços de Ferreira esteve a favor da subida do preço da água, posição que ficou bem marcada em plena Assembleia Municipal pelos nossos membros eleitos para este órgão”.

No documento, criticam ainda Humberto Brito, presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira e os seus comentários, “no qual afirma que o ocorrido nos últimos dias se deve a uma “cabala” montada entre o PSD e as Águas de Paços de Ferreira”, “informamos que estas que terão que ser comprovadas em local próprio pois sobre este assunto nunca em momento algum escondemos documentos (nomeadamente pareceres da ERSAR) ou mentimos sobre nenhum facto à população”.

“Mais, entendemos que este tipo de insinuações e comentários não são dignos de um Presidente de Câmara. Consideramos mesmo que a sua proximidade com os comportamentos da bem conhecida personagem D. Quixote, do famoso livro de Miguel de Cervantes Saavedra, que do alto do seu cavalo Rocinante vê em cada “moinho um gigante inimigo”, é por demais evidente”.

“O problema desta confusão é só um: é a nossa população que pagará, mais tarde ou mais cedo, as “lutas contra moinhos de vento” do Dr. Humberto Brito”, rematam.