Os vereadores do PSD de Paços de Ferreira propuseram na sexta-feira a atribuição de um apoio municipal para a criação e reparação de pistas de atletismo em Freamunde e Seroa. Humberto Brito, presidente da Câmara Municipal, descreveu ao Jornal IMEDIATO a proposta como vinda “da Terra do Nunca”.

Aos olhos dos vereadores sociais democratas, Joaquim Pinto e Célia Carneiro, ainda que o concelho tenha uma “tradição no atletismo”, atualmente os praticantes da modalidade não têm ao seu dispor nenhuma “infraestrutura adequada”.

Assim, a sua proposta consiste num apoio monetário de 85% ao SC Freamunde e à Junta de Freguesia de Seroa, para que as duas entidades possam criar e reabilitar pistas de atletismo na zona norte e sul do concelho.

Projeto minimalista do SC Freamunde ronda 15.000 euros

O IMEDIATO esteve à conversa com Hernâni Cardoso, presidente do SC Freamunde, que adiantou que um projeto minimalista da pista de atletismo, em alcatrão, rondaria os 15.000 euros.

Contudo, o sonho dos “azuis e brancos” e da Associação Andatrilhos, a quem se juntaram para o projeto, pode chegar mesmo aos 200.000 euros.

“O que propomos agora é o básico, para tirar as pessoas das estradas, mas depois podemos ir evoluindo com o apoio de fundos comunitários e até do Governo”, adiantou o dirigente.

Praticantes de atletismo “correm perigo na estrada”

O outro projeto colocado em cima da mesa é a requalificação da pista de atletismo do Complexo do Clube Desportivo Leões de Seroa, que se encontra num “evidente estado de degradação”.

Ao IMEDIATO, o presidente da Junta de Freguesia de Seroa, Rui Barbosa, explicou que a pista foi construída com o campo e chegou a ser utilizada por atletas do concelho, mas acabou por cair no abandono por falta de manutenção.

Para o autarca de freguesia, o investimento ficaria “mais em conta” por não ser feito de raiz, e não seria destinado meramente aos cidadãos de Seroa, mas a todo o concelho, e traria maior segurança aos atletas.

“Há muitos praticantes de atletismo em equipa e individuais, que correm nas estradas e colocam-se em perigo por causa do trânsito”, defendeu.

Humberto Brito: É uma proposta vinda “da Terra do Nunca”

Ao Jornal IMEDIATO, o presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, Humberto Brito descreveu a proposta social democrata como vinda “da Terra do Nunca”.

“Estamos a falar de uma proposta sem uma análise custo-benefício, irrealista, e diria até irresponsável”, considerou o autarca pacense.

Para o mesmo, a construção de pisos em material betuminoso (alcatrão) é “surreal e ofensivo para a prática desportiva e mesmo assim pode custar 100 mil euros”. Já a implementação de pisos tartan, mais adequados à prática da modalidade, “podia ascender aos 500.000 euros”.

“Acho que em primeiro lugar é necessário perceber a utilização que estes espaços teriam. Há outras necessidades no concelho, como a colocação de sintéticos”, adiantou o autarca ao IMEDIATO.

ouro e prata