Elisa Loup tem 55 anos e vive em Paços de Ferreira. Cega de nascença, a mulher viu a sua rotina alterada há cinco semanas, depois de ter sido atacada por um cão vadio, na cidade pacense. Fraturou o tornozelo, teve de colocar gesso na perna direita e ficar em repouso absoluto e agora tem medo de voltar à rua.

Elisa Loup sempre fez uma vida normal, independente, apesar das suas limitações visuais. Trabalhou, trata da casa e costuma sair para ir às compras. Sai à rua, sempre, na companhia do seu cão guia. E foi o que fez no passado dia 29 de julho. Mas junto à rotunda do Radar, na cidade de Paços de Ferreira, foi atacada por um cão vadio. “Saltou para cima de mim e deitou-me ao chão. Depois ainda deu um pulo em cima de mim e eu comecei a gritar e ele fugiu”, contou a mulher. “O meu cão ficou assustado, sentado ao meu lado, sem reagir”, recordou.

Elisa Loup berrou por socorro e foram várias as pessoas que vieram em seu auxílio. Foi depois assistida no local pelos Bombeiros Voluntários de Paços de Ferreira e levada para o Hospital Padre Américo, em Penafiel. Fraturou um tornozelo e teve de colocar gesso na perna. “Disseram-me que pelo menos seis semanas tenho de andar assim. Tenho ido lá uma vez por semana, mas ainda não têm uma avaliação definitiva. Devo tirar o gesso dentro de uma semana e depois é que vão avaliar a lesão e o que fazer a seguir”, explicou.

Agora, Elisa Loup tem medo de voltar à rua, quando retirar o gesso do pé. “Estou assustada. Nunca tinha sido atacada e não sei se vou conseguir retomar a minha vida normal”. Depois do sucedido, Elisa Loup comunicou o caso à autarquia e ao veterinário municipal. “Espero que façam os possíveis para retirar os animais abandonados da rua, para que não aconteçam estas coisas a pessoas como eu, ou aos mais idosos”, rematou.