A Casa da Cultura de Paredes tem patentes duas novas exposições: “Carcaça” , um conjunto de escultura, desenho e vídeo das paredenses Inês e Rita Vieira, e a exposição de ilustração românica “Rates e os Mistérios do More Romano”.

Com duas salas distintas, “Carcaça” leva os visitantes de forma “nua” às referências e inspirações das duas artistas, “quase como um mapa que guia pelo processo criativo”.

Por trás da exposição, patente até 7 de julho, estão Inês Alves da Silva Vieira e Rita Alves da Silva Vieira, duas irmãs de Aguiar de Sousa, que depois de estudarem Artes Visuais na Escola Secundária de Paredes se lançaram na licenciatura de Artes Plásticas na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.

Mas, ainda que as artistas tenham laços de sangue e percursos semelhantes, o seu estilo é bastante distinto.

Enquanto a obra de Inês Vieira “incide maioritariamente na escultura e no desenho”, refletindo sobre espaços positivos e negativos, a luz natural e os reflexos, já Rita Vieira ligou o projeto à imagem “como uma ideia de camadas de substância, explorando as formas e os materiais através de vídeo, fotografia e colagem.

“Rates e os Mistérios do More Romano” patente até ao final do mês

Também patente na Casa da Cultura de Paredes está a exposição de ilustração “Rates e os Mistérios do More Romano”, da autoria de Jorge Faria Moreira.

Segundo a autarquia paredense, as ilustrações vão estar expostas até 31 de junho, e são o “pedaço de alma que falta no livro” e a arte românica “sentida pelo autor em primeira mão”.

Designer doutorado em Estudos Culturais, Jorge Faria Moreira fez um trabalho de investigação sobre a riqueza das narrativas patentes do património românico da Igreja de Rates, na Póvoa do Varzim.