O Presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira lamentou a falta de exames a utentes e funcionários das instituições do concelho e pediu ao delegado de saúde que sejam feitos testes à COVID-19 aos 904 utentes e 187 funcionários das 12 instituições do concelho. Humberto Brito afirmou que a autarquia está disponível para pagar os testes.

“Os testes são uma salvaguarda e uma garantia de que quem está a prestar serviços aos idosos está bem e que os idosos também estão bem. E se nunca forem feitos, nunca saberemos qual a realidade e nunca teremos um diagnóstico daqueles que estão em condições de trabalhar”, afirmou ao Jornal IMEDIATO Humberto Brito, dando nota de que já pediu ao delegado de saúde que sejam testados utentes e funcionários das instituições do concelho, que têm valências de lar, apoio domiciliário, centro de dia e centro de convívio.

No dia em que anunciou 54 infetados no concelho, o edil pacense considerou “lamentável” a falta de exames para diagnóstico da doença pandémica. “Por muita insistência que seja feita junto da Administração Regional de Saúde do Norte, por muita boa vontade dos profissionais de saúde, só em casos extremos de doença comprovada é que são feitos exames de diagnóstico”, referiu o autarca. “Assim torna-se difícil adotar medidas preventivas e determinar a quarentena. A falta de exames serve apenas para baixar os números estatísticos! Mas um dia a coisa estoura! E aí “baixar a mola” passou a ficção”, frisou.

Humberto Brito afirmou ainda que a autarquia está disponível para suportar os custos dos testes. “Disponibilizei pagar integralmente os testes a realizar aos nossos idosos e aos trabalhadores das IPSS que prestam cuidados. Mas nem a pagar acredito que o queiram fazer. Pode estragar a estatística”, criticou.