Uma delegação da Administração Regional de Saúde visitou esta tarde o Estádio Capital do Móvel, no âmbito do processo de aprovação dos Estádios da I Liga que têm condições para acolher as 10 jornadas que faltam disputar na prova, interrompida a 12 de março como medida de contingência devido à pandemia do Covid-19.

A Federação Portuguesa de Futebol, a Liga e a DGS têm o processo de escolha em mãos e vão fazê-la com base no caderno de encargos enviado aos Clubes e que determina as várias medidas de segurança a serem adotadas até final da temporada.

Neste capítulo, o Estádio Capital do Móvel tem vários fatores que o ajudam a colocar-se entre os que melhores condições têm neste contexto específico, desde logo pelo facto dos atletas usarem uma infraestrutura moderna (inaugurada em março de 2018) e que cumpre com as normas da UEFA em termos de área dos diversos espaços. Depois, porque o Clube procurou dotar de pronto a área de futebol profissional com todas as medidas de higienização e salubridade necessárias para diminuir o risco de contaminação pelo Covid-19.

Após uma primeira visita às instalações da Mata Real por parte de uma empresa privada de Segurança no Trabalho, seguiu-se esta da ARS Norte e será com base nos relatórios elaborados por ambas que a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga vão decidir se o Estádio Capital do Móvel estará disponível para receber quatro das 10 jornadas que faltam disputar na Liga.

Em casa, os Castores ainda vão receber o Belenenses, FC Porto, SC Braga e Portimonense, tendo deslocações fora a: Rio Ave, Sporting, Tondela, Setúbal, Moreirense e Gil Vicente. O FC Paços de Ferreira está na 16ª posição da Liga NOS, com seis pontos acima da linha de água, tendo atrás de si o Portimonense e o CD Aves.