A Movelpartes, empresa do Grupo Sonae Indústria dedicada à produção e comercialização de componentes de madeira para a indústria do mobiliário e decoração, sediada em Vilela, Paredes, anunciou o encerramento e despedimento dos seus 43 trabalhadores.

Segundo o Bloco de Esquerda, o motivo apresentado para o fecho de portas foi “a alegada falta de encomendas”, sendo que a administração justificou que o volume de vendas tem diminuído nos últimos anos e agora agravou-se pela situação de pandemia Covid-19.

Contudo, os bloquistas afirmam ter recebido informação de que os trabalhadores foram apanhados de surpresa pelo encerramento, “por não encontrarem quaisquer fundamentos objetivos para que a mesma tenha lugar”, lê-se na nota de imprensa enviada ao IMEDIATO.

Os trabalhadores afirmam, pelo contrário, que “a empresa sempre manteve bastantes encomendas e faturação para o seu principal cliente, a IKEA Industry Portugal”. O Grupo Sonae teve lucros, no ano passado, na ordem dos 165 milhões de euros.

Assim, o Bloco questionou o Governo sobre o encerramento da fábrica, de forma a “travar o anunciado despedimento coletivo e apurar as condições em que este grupo encerra uma unidade fabril tendo o resultado líquido muito positivo”.

A ideia do partido é que o ministério do Trabalho e da Segurança Social analise com a empresa uma solução que permita “a viabilização da empresa e a manutenção dos postos de trabalho”, querendo também saber se o Governo tem conhecimento da transferência de apoios públicos para a empresa e que medidas vão ser adotadas “rapidamente” para assegurar o acesso dos trabalhadores a apoios de proteção social.

ouro e prata