Durante duas semanas, o campo de trabalho internacional #ecoMezio juntou 25 jovens provenientes de dez países em Lousada e Gondomar, com uma causa em comum: limpar o Rio Mezio.

O campo, organizado pela Associação de Proteção dos Rios Sousa e Ferreira (APRISOF), em parceria com a Associação BioLiving e a Câmara Municipal de Lousada, foi “um desafio difícil”, atendendo às condicionantes associadas à pandemia COVID-19.

“Os participantes – voluntários e equipa técnica – estão juntos 24 horas por dia, partilhando todos os espaços e refeições. O desafio foi, no entanto, superado, sem casos de doença a assinalar, e com um impressionante trabalho de campo desenvolvido”, sublinhou a autarquia de Lousada.

Assim, os 25 voluntários de dez países (Itália, Alemanha, Bélgica, Brasil, Espanha, França, Polónia, Rússia, Suíça e Portugal), limparam e restauraram a nascente e os primeiros 500 metros do rio Mezio, eliminando espécies exóticas invasoras (tintuteira e austrália) e de vegetação infestante.

Ao longo das duas semanas, os jovens removeram ainda várias toneladas de resíduos e lixo do leito e das margens do rio, construíram um charco para a vida selvagem em Casais, desobstruíram levadas e limparam moinhos devolutos.

Os participantes tiveram ainda a oportunidade de conhecer a cultura portuguesa, com jogos, workshops, participação em vindimas e ainda diversas visitas, bem como noites de animação, com jogos e cinema.

“O campo concluiu-se assim com grande êxito, e com a aprovação unânime de todos os jovens voluntários, que prometeram desde já regressar em edições futuras”, rematou a autarquia.

ouro e prata