Penafiel celebrou este domingo, dia 3 de março, o 249.º aniversário da elevação de Arrifana de Sousa ao estatuto de cidade. Em dia de festa, foram reconhecidas várias personalidades da área da Proteção Civil e foi dado a conhecer à comunidade um sonho de vários anos, um espaço dedicado à cultura, que vai nascer na cidade de Penafiel – o Ponto C – Cultura e Criatividade.

Ao todo, foram dez personalidades ligadas aos bombeiros e ao socorro que foram distinguidas este domingo; sete receberam as Medalhas de Ouro e três as Medalhas de Mérito Municipal Douradas. “A cada ano procuramos que o 3 de Março tenha um tema de referência. Este ano os homenageados são cidadãos que serviram ou continuam a servir a comunidade numa área tão sensível e essencial como é a Proteção Civil e o Socorro”, afirmou Antonino de Sousa, presidente da Câmara Municipal de Penafiel.

Naquele que é “o dia maior” da cidade de Penafiel e durante uma cerimónia que decorreu no auditório do Museu Municipal de Penafiel, Antonino de Sousa, presidente da autarquia, salientou “o trabalho intenso de afirmação” que tem sido desenvolvido, nomeadamente ao nível da captação de investimento e criação de emprego e do combate ao abandono e insucesso escolar.

O autarca relembrou ainda algumas das distinções conquistadas pelo município este ano, algumas das quais na área da Cultura – “uma das áreas mais relevantes das políticas municipais”, aproveitando o momento para apresentar à comunidade o Ponto C – Cultura e Criatividade , “um espaço pró-criatividade, um polo cultural de referência” que vai nascer na cidade de Penafiel. Esta infraestrutura – que vai nascer na Quinta de Puços, na antiga Quinta da Caturra, voltada para o Cavalum – vai integrar um auditório para espetáculos com capacidade para 400 pessoas e uma outra sala polivalente para eventos de menor dimensão. Terá ainda uma nova praça, zonas verdes e um anfiteatro natural.

“Um ponto de encontro, de partilha da nossa cultura, e um palco para trazer a Penafiel e à região o melhor da criação artística do país e do mundo”, afirmou Antonino de Sousa, acrescentando que este equipamento, “um sonho de décadas”, vai ainda permitir o crescimento da cidade para a encosta do Cavalum, “sem cortar a ligação ao centro histórico, rasgando novos caminhos e abrindo novos horizontes. Queremos que seja um marco para a cultura e para o futuro da nossa cidade”.

O Ponto C – Cultura e Criatividade terá um investimento global de cerca de três milhões de euros e contará com apoio de fundo comunitários no âmbito do PEDU. “Não é ainda muito possível ter números concretos nesta fase. Está desenvolvida a arquitetura do projeto, mas faltam as especialidades. A nossa estimativa anda na ordem dos três milhões de euros. Terá apoio comunitário, de outra forma seria demasiado ambicioso para o município. Há uma verba prevista no PEDU, mas será preciso acompanhar com orçamento municipal”, rematou o edil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *