A Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa) assinou, no passado dia 21 de novembro, a Carta Portuguesa para a Diversidade. A cerimónia de assinatura decorreu no âmbito do II Fórum Nacional para a Diversidade, que decorreu na Póvoa de Lanhoso.
Com a assinatura desta Carta, a CIM do Tâmega e Sousa tornou-se a primeira entidade intermunicipal a firmar um compromisso público para com uma sociedade mais inclusiva e plural, entendendo a diversidade como o reconhecimento, o respeito e a valorização da(s) diferença(s) entre as pessoas. Uma diversidade onde se incluem as diferenças relativas ao sexo, identidade de género, orientação sexual, etnia, religião, credo, território de origem, cultura, língua, nacionalidade, naturalidade, ascendência, idade, orientação política, ideológica ou social, estado civil, situação familiar, situação económica, estado de saúde, deficiência, estilo pessoal e formação.
A diversidade assume-se, assim, como um imperativo ético, traduzindo-se num princípio basilar e orientador da sua atuação interna e externa, fazendo parte dos seus valores e da sua identidade institucional.
A CIM do Tâmega e Sousa reconhece que a diversidade numa organização é potenciadora de inovação, atração, retenção e promoção de talento e de competências diversas e representa uma mais-valia, ao tornar a própria organização um espelho da sociedade onde se insere e atua.
Iniciativa da União Europeia, a Carta Portuguesa para a Diversidade é um instrumento voluntário criado com o objetivo de encorajar os empregadores de vários setores (público, privado com e sem fins lucrativos) a implementar e a desenvolver políticas e práticas internas de promoção da diversidade.
A Carta Portuguesa para a Diversidade surge em linha com os esforços encetados pela Comissão Europeia e com as prioridades da Estratégia Europa 2020. A discriminação tem sido uma matéria à qual a União Europeia e Portugal têm dedicado especial atenção, nomeadamente na aplicação do princípio da igualdade de tratamento entre as pessoas, sem distinção de género, origem racial ou étnica, ou no estabelecimento de um quadro geral de tratamento no emprego e na atividade profissional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *